grundler1_Ashley CooperConstruction PhotographyAvalonGetty Images_emissions Ashley Cooper/Construction Photography/Avalon/Getty Images

Passar das promessas à ação climática

WASHINGTON, DC – O Acordo de Paris sobre o clima, concluído em 2015, tem sido fundamental para mobilizar os países de todo o mundo a comprometerem-se a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE). Mas o estabelecimento de metas climáticas ambiciosas nem sempre resultou em ações significativas. O recente “relatório de balanço global” das Nações Unidas mostra que estamos a ficar aquém dos cortes drásticos necessários para alcançar a estabilidade climática, sublinhando a necessidade urgente de os governos agirem rápida e decisivamente para mantermos o aquecimento global dentro dos limites seguros.

Na qualidade de antigos reguladores, estamos confiantes de que ainda é possível desenvolver soluções eficazes. Embora quatro setores económicos – indústria, transportes, eletricidade e edifícios – sejam responsáveis por 75% das emissões globais de GEE, se as políticas públicas forem bem concebidas, poderão reduzir eficazmente a poluição destes setores, promover a poupança dos consumidores, salvaguardar a saúde pública e estimular o crescimento económico sustentável.

Mas a elaboração de políticas eficazes para transformar as nossas economias baseadas em combustíveis fósseis a tempo de evitar a catástrofe climática e satisfazer as necessidades energéticas da humanidade é uma tarefa difícil. Enfrentar o problema de frente requer uma combinação de conhecimentos técnicos, económicos e políticos, juntamente com recursos financeiros e mão de obra significativos, mas as agências incumbidas de conceber e implementar estas políticas decisivas têm falta de pessoal e de fundos. Demasiadas vezes, os reguladores não têm outra opção senão confiar na informação que lhes é fornecida pelos próprios setores que estão encarregados de supervisionar. Esta dinâmica pode resultar numa regulamentação frágil e na perda de objetivos políticos.

Crucialmente, as ONG independentes podem diminuir este desequilíbrio de poder, fornecendo aos governantes a informação e os conhecimentos técnicos de que necessitam para conceberem regulamentos sólidos que reduzam eficazmente as emissões nocivas.

Os esforços da Agência de Proteção Ambiental (EPA, sigla em inglês) dos EUA para reduzir a poluição causada pelos camiões são um exemplo disso. Em 2016, quando a EPA estava a elaborar normas para limitar as emissões de GEE dos veículos pesados, como os camiões comerciais, vários organismos da indústria forneceram dados contraditórios aos governantes. O Conselho Internacional para os Transportes Limpos (ICCT, sigla em inglês), um grupo de reflexão independente, realizou o seu próprio estudo exaustivo, que incluiu projeções de custos pormenorizadas para os regulamentos propostos.

A análise imparcial do ICCT forneceu à EPA dados que demonstram a rentabilidade de uma norma de poluição rigorosa. Consequentemente, espera-se que estas regulamentações resultem em cortes de emissões equivalentes a 294 centrais de carvão, poupem aos proprietários de camiões 170 mil milhões de dólares em custos de combustível e evitem até 209 mil milhões de dólares em danos nos próximos 30 anos, posicionando os Estados Unidos como líder mundial na eficiência dos camiões.

WINTER SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions
PS_Sales_Winter_1333x1000

WINTER SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions

Subscribe now to gain greater access to Project Syndicate – including every commentary and our entire On Point suite of subscriber-exclusive content – starting at just $49.99.

Subscribe Now

Desde então, o ICCT tem ajudado vários governos na elaboração de regulamentos para melhorar a eficiência dos camiões comerciais. Utilizando a investigação da organização, a Comissão Europeia elaborou a sua primeira norma de sempre que visa a poluição dos camiões comerciais, que deverá reduzir as emissões dos camiões em 150 milhões de toneladas até 2035.

As ONG especializadas também podem ajudar as economias emergentes, especialmente aquelas com menos recursos, a estimular programas climáticos transformadores. Ao facilitar a rápida adoção de soluções de energia limpa, estas organizações podem aumentar o acesso a eletricidade barata e livre de poluição. Além disso, as regras que promovem a utilização de tecnologias de ponta podem fomentar a inovação, aumentar a competitividade e ajudar os países a posicionarem-se como líderes climáticos, beneficiando as suas populações e o planeta.

Em 2006, por exemplo, a Índia lançou um programa nacional de eficiência dos equipamentos. Através de uma divisão específica do Gabinete de Eficiência Energética (BEE, sigla em inglês), as autoridades colaboraram com ONG como o CLASP (anteriormente conhecido como Programa Colaborativo de Rotulagem e Normas de Equipamentos) para adaptar as principais características de programas bem-sucedidos de rotulagem de eficiência ao mercado indiano. A análise aprofundada do CLASP também ajudou o BEE a identificar os equipamentos em que se deveria focar.

Estes conhecimentos permitiram que o BEE lançasse rapidamente o seu programa de rotulagem por estrelas. A agência colaborou, então, com outra ONG, The Energy and Resources Institute (TERI), para desenvolver um programa de eficiência adaptado às pequenas empresas. Ao facilitar a cooperação com os líderes empresariais, o TERI desempenhou um papel fundamental na criação de normas de eficiência sólidas e eficazes em termos de custos.

Desde o seu lançamento, o programa indiano de rotulagem de equipamentos compensou 400 milhões de toneladas de emissões de GEE – o que equivale aproximadamente às emissões anuais do setor dos transportes na Índia – e prevê-se que seja responsável por 30% da redução das emissões do país até 2030. Para além disso, a Índia estabeleceu-se como um dos principais fabricantes de aparelhos de ar condicionado energeticamente eficientes, devido à crescente procura de soluções de refrigeração sustentáveis entre o aumento das temperaturas globais. Com programas de eficiência que reduzem as emissões das empresas em 105 milhões de toneladas por ano, a indústria indiana está atualmente entre as mais eficientes em termos energéticos a nível mundial.

Embora estas atividades raramente atraiam uma atenção significativa, a investigação imparcial fornece aos reguladores os dados de que necessitam para criarem políticas ambientais transparentes e eficazes. A assistência técnica de ONG independentes pode lançar as bases para os sucessos políticos necessários, para ultrapassar a crise climática.

À medida que as economias desenvolvidas e em desenvolvimento forem melhorando as suas capacidades estatais, tornar-se-ão mais confiantes na definição de objetivos ambiciosos, criando um ciclo virtuoso. Com o apoio certo, podemos garantir que as avaliações presentes no próximo relatório de ação climática do mundo deixarão as gerações futuras orgulhosas.

https://prosyn.org/5wAEkfBpt