malpass6_SIMON MAINAAFP via Getty Images_mangrove sustain BARBARA DEBOUTAFP via Getty Images

Desenvolvimento eco-económico

WASHINGTON, DC – A biodiversidade da Terra e os serviços prestados por ecossistemas saudáveis estão sob uma enorme pressão causada pelas alterações climáticas e pelo desafio de sustentar oito mil milhões de pessoas de forma sustentável. Os principais serviços ecossistémicos – tais como madeira proveniente de florestas, polinizadores e pesca oceânica – têm de ser conservados e valorizados, mas, no entanto, estão a ficar rapidamente desgastados. A Conferência de Biodiversidade das Nações Unidas de 2022 (COP15) em Montreal, este mês, oferece uma oportunidade de desenvolver a visão partilhada da humanidade de viver em harmonia com a natureza.

A biodiversidade é uma meta importante para os programas do Grupo Banco Mundial. Mas, para inverter a sua perda, as decisões económicas têm de ter em conta a natureza. É por isso que estamos a trabalhar para ajudar os países a integrar a natureza nos seus modelos de crescimento económico, planos de desenvolvimento e agendas climáticas. Fazer isso significa estabelecer políticas que considerem o real valor económico da natureza, criar instituições que ajudem a natureza, desenvolver parcerias público-privadas para apoiar esse objetivo e mobilizar financiamento de todas as fontes para transformar economias e políticas – indo muito além de intervenções isoladas.

A pesca é um bom exemplo de como a natureza é importante para o crescimento e desenvolvimento. A nível mundial, as unidades populacionais de peixes estão a diminuir devido à tripla ameaça que alberga as alterações climáticas, a pesca excessiva e a poluição. Se o “mesmo do costume” continuar, o mundo poderá perder até 25% da pesca até ao final do século. Isso deveria preocupar toda a gente, por várias razões.

Em primeiro lugar, já estamos a enfrentar uma das maiores crises de segurança alimentar da história moderna. Uma vez que o peixe é um importante componente da dieta de 3,3 mil milhões de pessoas, uma oferta reduzida agravará as crises alimentares agora e no futuro. Os peixes são ricos em nutrientes que são particularmente importantes para o desenvolvimento infantil e são uma fonte de proteína especialmente valorizada para os pobres, porque são mais fáceis de obter e mais baratos de conservar do que outras fontes. Consequentemente, o peixe contribui com 50%, ou mais, da ingestão total de proteína animal no Gana, em Moçambique e na Serra Leoa. Além disso, a escassez de peixe afetará toda a cadeia alimentar, porque os produtos da pesca são componentes importantes de outros alimentos, incluindo a alimentação do gado.

Em segundo lugar, à medida que os peixes se forem tornando mais escassos ou migrarem para águas mais frias e mais profundas devido às alterações climáticas, muitos pescadores serão forçados a percorrer mais quilómetros para pescá-los, a alterar a forma de pescar ou a encontrar novos empregos. Muitos não conseguirão adaptar-se. Entre os 38 milhões de pessoas em todo o mundo que trabalham diretamente na pesca, as mais vulneráveis serão as mais atingidas. Isso inclui comunidades de pesca artesanal, muitas vezes localizadas em áreas remotas que já são desproporcionalmente afetadas pelas alterações climáticas. As mulheres, que representam 50% dos trabalhadores na cadeia de valor de alimentos aquáticos mais ampla, também serão significativamente afetadas. Para aqueles com pouca educação formal, os meios de subsistência alternativos serão difíceis de encontrar.

Em terceiro lugar, as repercussões dessas ameaças aumentarão com o tempo. As unidades populacionais de peixes não respeitam fronteiras internacionais. Sem os regulamentos e incentivos adequados, as frotas continuarão a maximizar as suas capturas a curto prazo, com as principais economias a pescar excessivamente muito além das suas águas territoriais. Se todos os países fizerem isso, um problema que é mau tornar-se-á muito pior. Há cinquenta anos, cerca de 10% das unidades populacionais de peixes eram pescadas a níveis biologicamente insustentáveis, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. Hoje, esse número subiu para 35%. Embora muitos países fiquem prejudicados, são as comunidades mais pobres que mais terão a perder.

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes
PS_Quarterly_Q2-24_1333x1000_No-Text

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes

The newest issue of our magazine, PS Quarterly: Age of Extremes, is here. To gain digital access to all of the magazine’s content, and receive your print copy, subscribe to PS Premium now.

Subscribe Now

Diante desses desafios, os esforços de conservação que apenas impedem a perda da natureza não são mais suficientes. Em vez disso, precisamos de inverter o declínio, o que significa mudar a forma como produzimos e consumimos.

Uma abordagem é investir em soluções baseadas na natureza que protejam a natureza e, ao mesmo tempo, apoiem o desenvolvimento económico, criem meios de subsistência e ajudem os países a mitigar as alterações climáticas e a adaptarem-se a elas. Tomemos como exemplo os mangais, que são ricos em biodiversidade, atuam como viveiros de peixes, protegem mais de seis milhões de pessoas das inundações anuais e absorvem as emissões de carbono. Estima-se que tenham uma riqueza económica avaliada em 550 mil milhões de dólares. Outro exemplo é o cultivo de algas marinhas, que tem potencial para criar empregos, atenuar a insegurança alimentar e absorver carbono.

O Grupo Banco Mundial está a trabalhar em várias frentes para ajudar os países a reconhecer tanto o valor da natureza como os riscos que adviriam da sua perda. Ao trabalharmos muitas vezes com os Ministérios das Finanças, fornecemos financiamento, conhecimento, assessoria política e capacidade técnica para mobilizar parceiros por trás de soluções baseadas na natureza. Com o nosso apoio, os países estão a identificar novas intervenções promissoras que podem ser replicadas e ampliadas.

Por exemplo, ao envolver diferentes partes interessadas no ordenamento marítimo, o Vietname está a reduzir os conflitos sobre o uso de recursos entre os setores. Na China, estamos a trabalhar com os municípios de Chongqing e Ningbo para reduzir a quantidade de plástico marinho que atinge o oceano proveniente dos efluentes dos rios, com base em projetos anteriores que ajudaram a estabelecer a capacidade de tratamento de águas da China. Ao aplicarmos tecnologias, como satélites e drones, estamos a ajudar a Tanzânia e outros países a obter dados em tempo real sobre a degradação costeira e marítima, para que possam agir de forma a evitá-la. E através de instrumentos financeiros inovadores, tais como créditos de carbono azul, o Gana pretende recuperar três mil hectares de mangais e atrair mais financiamento privado.

Estamos a trabalhar para alargar esforços como esses. As metas a curto prazo incluem mais financiamento para projetos em países pobres, um papel mais importante para o setor privado e uma ação coordenada desde as comunidades locais até aos governos nacionais. Mas se quisermos pôr termo à perda de biodiversidade, há muito mais a fazer, tanto por nós como pela comunidade global.

https://prosyn.org/O61fkCXpt