ratti12_Samuel BoivinNurPhoto via Getty Images_bicycles rue de rivoli Samuel Boivin/NurPhoto via Getty Images

Será que é o fim das cidades?

PARIS – A Rue de Rivoli, uma avenida que atravessa o coração de Paris, foi desenvolvida aos solavancos. Napoleão Bonaparte iniciou a construção em 1802, após anos de planificação e debate, mas as obras estagnaram após a abdicação do imperador em 1814. A avenida ficou abandonada até outro homem forte militar, Napoleão III, concluir o projeto na década de 1850. No século seguinte, a construção começou novamente – desta vez, para receber carros. Mas na primavera passada, a Rue de Rivoli vivenciou a sua transformação mais rápida até ao momento.

Com o tráfego de Paris dominado por um confinamento causado pela COVID-19, a presidente de câmara, Anne Hidalgo, decidiu no dia 30 de abril fechar a estrada de quase três quilómetros aos carros, a fim de criar mais espaço para pedestres e ciclistas. Os trabalhadores pintaram novamente a estrada e transformaram uma importante artéria no centro de Paris – residência do mundialmente conhecido museu do Louvre – praticamente da noite para o dia.

Não foi apenas a Rue de Rivoli. Usando apenas tinta e marcadores de aparafusar, quase 160 quilómetros de estradas parisienses foram temporariamente reatribuídas aos ciclistas nos primeiros meses da pandemia – uma revolução na reprogramação urbana. Posteriormente, foi anunciado que as mudanças tornar-se-iam permanentes.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/Ya2PCNWpt