mueller46_DARREN HULLAFP via Getty Images_canada wildfires DARREN HULLAFP via Getty Images

O canto da sereia do autoritarismo climático

BUDAPESTE – Este verão – com as suas temperaturas recordes, inundações mortais e incêndios florestais violentos, que só no Canadá destruíram o equivalente a todas as árvores na Alemanha – pode ser entendido um aviso final: sem uma urgente e drástica ação, a atual emergência climática irá tornar-se um inevitável desastre climático. Alguns poderão ficar tentados a pensar que chegamos a um ponto em que a nossa única hipótese de montar uma resposta suficientemente rápida e potente à ameaça é endossar a decisiva autoridade estatal, até mesmo o absoluto autoritarismo. Mas a noção de que os autoritários com mentalidade ecológica irão superar os líderes democráticos em matéria de clima é uma perigosa fantasia.

As preocupações sobre a capacidade das democracias para agirem de forma rápida e eficiente não são novidade. Um governo que permite a participação de todos (em teoria, embora nem sempre na prática) contribui para um sistema imperfeito e lento. Jogadores influentes muitas vezes podem vetar ações que a maioria apoia. Por outro lado, a visão de que as massas irracionais exercem demasiado poder – há muito expressada em voz baixa – tornou-se inteiramente aceitável socialmente na era de Donald Trump. Por exemplo, eleitores tendem a punir políticos por tomarem medidas para prevenir catástrofes e a recompensá-los por parecerem heroicos durante uma catástrofe, embora a ajuda em caso de catástrofe seja muito mais cara do que a prevenção.

Além de preconceitos bem conhecidos – muitos deles tão antigos como os escritos de Platão – pode-se argumentar que alguns dos benefícios da democracia não contam muito na emergência climática. As democracias orgulham-se do fato de todas as decisões poderem ser revistas – de as políticas poderem ser atualizadas e melhoradas e de os perdedores numa eleição poderem tornar-se vencedores nas eleições seguintes (e, assim, terem motivos para continuar a participar do jogo democrático). Mas as decisões relacionadas com o clima têm consequências importantes e irreversíveis, por isso, mesmo escolhas erradas – como fazer muito pouco – que sejam revistas mais tarde, terão causado ​ graves danos.

Outras críticas contemporâneas são mais contundentes. As democracias baseiam-se no compromisso, mas as negociações revelam-se muitas vezes incoerentes, especialmente em sistemas multipartidários, porque muitos e diferentes participantes políticos querem conseguir o que desejam. A atual coligação governamental da Alemanha parece ser um exemplo disso. Corrigir essa incoerência leva tempo, o que as democracias poderiam levar em circunstâncias normais, mas certamente não levam quando o planeta está ficando cada vez mais quente e mais apocalíptico praticamente a cada dia.

Outra preocupação fundamental decorre do domínio de fato dos interesses empresariais nas democracias capitalistas. Uma vez que a ação climática irá inevitavelmente prejudicar pelo menos alguns interesses dos capitalistas, esses interesses parecem provavelmente impedir que as medidas necessárias sejam tomadas a tempo – ou talvez nunca.

Agora, com a rápida escalada da crise climática, aumentam os descarados apelos a uma mais  autoritária tomada de decisões. Alguns defendem uma abordagem mais tecnocrática e consideram a China um exemplo brilhante. (A ironia de que a China é o maior emissor mundial de gases com efeito estufa aparentemente lhes passa despercebida.) Outros – nomeadamente o pensador sueco Andreas Malm – imaginam uma nova forma de leninismo-comunismo de guerra .

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes
PS_Quarterly_Q2-24_1333x1000_No-Text

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes

The newest issue of our magazine, PS Quarterly: Age of Extremes, is here. To gain digital access to all of the magazine’s content, and receive your print copy, subscribe to PS Premium now.

Subscribe Now

Estas propostas levantam questões óbvias, que os seus proponentes nunca abordam. Se, em prol da ação climática, o poder estiver concentrado nas mãos de um Estado que não responde perante o povo, o que impediria os abusos desse poder? Porque é que, na ausência de quaisquer mecanismos de responsabilização, um regime autoritário iria realmente enfrentar as alterações climáticas? Será que se espera realmente que os interesses poderosos que atualmente impedem a ação climática não sejam tão poderosos, se não mais, sob uma autocracia climática?

Os regimes autoritários são notoriamente corruptos. Assim, a noção de que esse sistema estaria livre de “interesses especiais” e seria gerido por tecnocratas neutros e racionais, é implausível. Na verdade, longe de reforçar a ação climática, uma mudança para um estilo de tomada de decisão autoritário provavelmente pioraria as coisas.

O autoritarismo climático também pode sair pela culatra de formas menos óbvias. Num sistema político com alguma liberdade, a oposição é inevitável. Se as autoridades considerarem novas restrições necessárias para reprimir as críticas ou a resistência, poderão acabar por corroer outras liberdades básicas, incluindo a liberdade de produzir e trocar ideias potencialmente transformadoras.

Imaginemos o seguinte: um grupo de cientistas climáticos considera as políticas do ditador climático insuficientes e tenta mobilizar outros para exigirem ações mais fortes. Numa tentativa de restaurar a “ordem”, o ditador impõe medidas que restringem a liberdade acadêmica e a liberdade de associação. Agora, não só os especialistas são menos capazes de influenciar a resposta climática do estado, como poderão não ter oportunidades para desenvolver ou partilhar ideias e inovações que possam melhorar a nossa capacidade coletiva de enfrentar o desafio climático.

É verdade que nada disto significa necessariamente que os sistemas democráticos estejam particularmente bem equipados para promover a ação climática. Em vez disso, poder-se-ia concluir que não existem quaisquer bons instrumentos políticos. Mas isto negligencia um ponto fundamental: os obstáculos a uma ação climática eficaz nas democracias atuais não são inerentes. Pelo contrário, são inconsistentes com os ideais democráticos e, numa democracia que funciona bem, deveriam ser eliminados.

A desproporcional influência da indústria dos combustíveis fósseis no processo político, por exemplo, não é apenas prejudicial ao ambiente, mas também é fundamentalmente antidemocrática. Mesmo sem a urgente necessidade de enfrentar a emergência climática, os cidadãos teriam boas razões para exigir mudanças. A conclusão é clara: se não levarmos a sério a emergência climática, não salvaremos a democracia, e se não levarmos a sério os ideais democráticos, não salvaremos o clima.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brazil

https://prosyn.org/HiMYJUcpt