abdoolkarim1_Deaan VivierBeeldGallo Images via Getty Images_vaccineafrica Deaan Vivier Beeld/Gallo Images via Getty Images

A mutação do apartheid vacinal

JOANESBURGO – A reacção dos governos do Norte Global, à descoberta da variante Ómicron da COVID-19 na África do Sul, serviu para comprovar mais uma vez (como se mais vezes fossem necessárias) a resposta profundamente injusta à pandemia do coronavírus. Os efeitos adversos para os países africanos foram graves e rápidos, como se o bloqueio aos viajantes oriundos da região conseguisse de alguma forma manter o resto do mundo em segurança.

Não conseguiu, e o encerramento de fronteiras não funcionará contra o alastramento da próxima variante assustadora. Acontece que a injustiça global é muito má para a saúde pública.

Apesar de mais de metade da população mundial já ter sido vacinada contra a COVID-19, só 8% das pessoas que vivem em países de rendimento baixo receberam uma dose da vacina, comparativamente a 48% nos países de rendimento médio-baixo e a taxas muito superiores nos países de rendimento elevado. Até Novembro, os Estados Unidos tinham administrado mais do dobro das doses distribuídas por toda a África.

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/WnaUp2apt