Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

GettyImages-1137608601 Getty Images

Porque é que o capitalismo precisa do populismo?

CHICAGO – As grandes empresas estão sob ataque nos Estados Unidos. A Amazon cancelou os seus planos de abrir uma nova sede no bairro de Queens, na cidade de Nova Iorque, face à forte oposição local. Lindsey Graham, uma senadora republicana dos EUA pela Carolina do Sul, manifestou preocupação sobre a indiscutível posição no mercado do Facebook, enquanto a sua colega do Senado democrata, Elizabeth Warren, de Massachusetts, pediu a divisão da empresa. Warren também introduziu legislação que reservaria 40% dos assentos do conselho de administração corporativo para trabalhadores.

Essas propostas podem parecer deslocadas na terra do capitalismo de livre mercado, mas o debate atual é exatamente o que a América precisa. Ao longo da história do país, foram os críticos do capitalismo que garantiram o seu funcionamento adequado, ao combaterem a concentração do poder económico e a influência política que ela confere. Quando algumas empresas dominam uma economia, elas inevitavelmente juntam-se aos instrumentos de controlo estatal, criando uma aliança profana entre elites do setor público e privado.

Foi o que aconteceu na Rússia, que é democrática e capitalista apenas no nome. Ao manter o controlo total sobre a extração de mercadorias e a atividade bancária, uma oligarquia em dívida com o Kremlin descartou a possibilidade de uma concorrência económica e política significativa. De facto, a Rússia é a apoteose do problema que o presidente dos EUA, Dwight D. Eisenhower, descreveu no seu discurso de despedida em 1961, quando advertiu os americanos a “se precaverem contra a obtenção de influência injustificada” pelo “complexo industrial-militar” e contra o “potencial para o aumento desastroso do poder desajustado”.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/Dnxegsqpt;
  1. roubini137_Mikhail SvetlovGetty Images_xi putin Mikhail Svetlov/Getty Images

    The White Swans of 2020

    Nouriel Roubini

    Financial markets remain blissfully in denial of the many predictable global crises that could come to a head this year, particularly in the months before the US presidential election. In addition to the increasingly obvious risks associated with climate change, at least four countries want to destabilize the US from within.

    4
  2. tharoor137_ Hafiz AhmedAnadolu Agency via Getty Images_india protest Hafiz Ahmed/Anadolu Agency via Getty Images

    Pariah India

    Shashi Tharoor

    For three decades, India's self-branding as the world’s fastest-growing free-market democracy worked, with world leaders queuing up to visit New Delhi and burdening a generation of diplomatic protocol officers. But in a matter of months, it has all begun to fall apart.

    1