cfigueres13_OLE BERG-RUSTENAFP via Getty Images_norwaysovereignwealthfund Ole Berg-Rusten/AFP via Getty Images

O dever soberano da Noruega

BRUXELAS – Os recentes desenvolvimentos na Noruega poderão ter implicações importantes nos compromissos relacionados com o clima, na conferência sobre alterações climáticas da ONU (COP26) que se realizará em Glasgow, em novembro.

Em agosto, um comité nomeado pelo governo recomendou que a Noruega colocasse o seu fundo de riqueza soberana (FRS) no rumo certo para as zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa (GEE) até 2050, e que as atividades do fundo fossem consistentes com os compromissos da Noruega ao abrigo de acordos climáticos internacionais. Logo depois disso, o candidato do Partido Trabalhista norueguês a primeiro-ministro, Jonas Gahr Støre, confirmou que, se fosse eleito, implementaria uma meta de zero emissões líquidas para o fundo. Agora que Støre saiu vitorioso das eleições parlamentares deste mês, o seu desafio é formar uma coligação que lhe permita cumprir a sua convicção.

O Fundo de Pensão Governamental Global da Noruega, de 1,4 biliões de dólares, é o maior FRS do mundo. Mas o país tem hesitado em usar a influência do seu fundo nos seus próprios compromissos climáticos internacionais. Não é só a Noruega que hesita.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading and receive unfettered access to all content, subscribe now.

Subscribe

or

Unlock additional commentaries for FREE by registering.

Register

https://prosyn.org/vDzrB4gpt